Freguesia


 

Tradições


Como se cantava em Canelas:
Nesta freguesia esta muito presente na memória dos mais velhos as cantigas que antigamente e ainda hoje se cantam. Aqui podem encontrar vários exemplos:

"Eu venho d'ali"
Refrão:
Eu venho d'ali, d'ali
Eu venho d'ali d'além
De regar o laranjal
Que tantas laranjas tem.

Que tantas laranjas tem
Tem a folha miudinha
À sombra do laranjal
Enganei uma menina
Enganei uma menina

Enganei uma donzela
Prometilhe casamento
E agora caso com ela.

E agora caso com ela
Sem minha mãe saber
Só se a morte me levar
Ou a terra me comer.

“Agora é que pinta o bago”
Refrão:
Agora é que pinta o bago
Agora é que anda o pintor (bis)
Agora é que vou falar
Deveras ao meu amor (bis)

Quando eu era pequenina
Ai usava sapato branco (bis)
Agora que sou casada
Uso verga no tamanco (bis)
Refrão

Quando eu era pequenina
Usava fitas e laços (bis)
Agora que sou casada
Trago os meus filhos nos braços (bis)
Refrão

“Viva Canelas”
Viva a nossa terra
Desde a beira rio
O’ alto da serra

Mocidade, Mocidade
Pelos campos verdejantes
Faz lembrar a tua terra
A vida que era d’antes
Coro Lua da nossa terra
Tem mais brilho e beleza
Não terra mais bonita
Não há outra concerteza
Coro
Pelos campos verdejantes
Umas moças engraçadas
Há risos e alegrias Nas noites das desfolhadas
Coro

“Eu venho de lá de cima”
Eu venho de lá de cima
Da terra do mineral
ainda aqui trago uma china ~
No bolso do avental

No bolso do avental
Na barra do meu vestido
Menina eu vou pra guerra
Deixa m’ir dormir contigo

Deixa m’ir dormir contigo
Uma noite não é nada
Eu entro pelo escuro
Saio pela madrugada

Nem entras pelo escuro
Uma noite não é nada
Eu entro pelo escuro
Saio pela madrugada

Não entras pelo escuro
Nem sais pela madrugada
Eu sou rapariga nova
Não quero ser difamada

Não quero ser difamada
Nem por ti nem por ninguém
Eu não quero que difame
A filha que o meu pai tem.

“No alto daquela serra”
No alto daquela serra
Esta um lenço, esta um lenço de mil cores (bis)
Está dizendo viva, viva (bis)
Morra quem morra quem não tem amores (bis)
Coro

No alto daquela serra
Tem meu pai, tem meu pai um castanheiro
Dá castanhas no Outono
Folhas brancas folhas brancas em Janeiro
Coro

Ajoelha-te aos meus pés e reza
Reza a tua oração
Levanta-te amor levanta-te
Amor do meu coração

A folha do castanheiro ó ai ó larilolela
Tem biquinhos como a renda ó ai
Quem tem um amor bonito
Ò ai não pode ter melhor prenda.


Refrão:
Nasce logo redondinha.
A laranja quando nasce
Olha a laranja, olha o limão
Olha a laranja que não cai ao chão.

Minha mãe casa-me cedo
Aí enquanto sou rapariga
Aí enquanto sou rapariga
Refrão:

O milho sachado tarde
Ai não dá palha nem espiga
Ai não dá palha nem espiga
Refrão